Emmanuel - Flávio Venturini e Milton Nascimento

4 de abr de 2012

Projeto Viver em Família: A Necessidade de Comunicação

A Necessidade de Comunicação

           Outro fator imprescindível à preservação da felicidade conjugal é o diálogo entre esposos.
          Na fase do namoro e do noivado, tanto o rapaz quanto a moça, mesmo não tendo facilidade de conversar, sempre encontram assunto.
       Lamentavelmente, porém, após o enlace, a maioria dos casais negligencia o hábito tão salutar da permuta de anseios, desejos, esperanças, opiniões e pensamentos e, à medida que passam os anos, vão perdendo cada vez mais o gosto da conversação.
       Perguntas acabam sendo formuladas apenas quando indispensáveis, por meio de frases curtas, secas, e respostas são dadas, igualmente, com o maior brevidade quase sempre com o uso de monossílabos, ou um surdo movimento de ombros.
           “Falando, a gente se entende”, setencia antigo provérbio popular.
           E é mesmo.
           Pode acontecer que, no ardor de uma discussão, marido e mulher se desavenham, dando a impressão de que fora melhor terem ficado calados. Puro engano. Se estiverem habituados a dialogar, em breve terão oportunidade de esclarecer melhor a questão em que divergiram, voltando o ambiente a desanuviar-se, sem maiores conseqüências.
           Evitar as batalhas de opinião com o propósito de garantir a paz doméstica é estagnar-se mentalmente provocando o esvaziamento das relações matrimoniais.
           Melhor, muito melhor que acordo frio, assente no medo de tomar posição, discutir conceitos, refutar inverdades, etc., é a divergência declarada (tanto quanto possível polida), pois evita os recalques e as frustações.
           Não se confunda, todavia, comunicação com lamúrias, ou com críticas constantes e maldosas, quais as do marido para a mulher ou as da mulher para o marido.
      Os ataques frontais e as comparações deprimentes, ainda mais na presença de outrem, só servem para envenenar o espírito, provocar revolta e destruir afetos.
           É difícil, dificílimo, saber-se não-aceito, ser reprovado a todo instante, e conservar o amor por quem nos (mal) trata assim.

“O Sublime amor do altar doméstico anda muito longe, quando os cônjuges perdem o gosto de conversarem entre si.”
André Luiz, “Nosso Lar”


*A vida em família / Rodolfo Calligaris

Seguidores

Google+ Followers

Países que nos visitam

Países que nos visitam

Recomendo este Blogger

Vídeos do Grupo Musical Cativar - GMC

Caros amigos, o Grupo Musical Cativar compartilha com vocês sua primeira postagem no youtube com a nova formação: Guitarra - Roberto, Contra-baixo - Amaro, Violão - Jeronimo, Percursões - Olavo e Robério e vocal - Lilia.
Espero que gostem e prestigiem, pois é cativante

Cantando o teu natal

O Homem integral

Passos na Areia